Sexta-Feira, 20 de Julho -

  •  

    Uso de antidepressivos aumenta o risco de morte em pessoas com doenças pulmonares

    O uso de medicamentos acoplados a outras formas de terapia são amplamente utilizados para acelerar o processo de recuperação em pacientes que sofram com a depressão. Entretanto, segundo estudo publicado pelo periódico European Respiratory, pessoas que apresentam doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), podem correr sérios riscos ao fazer uso de medicamentos antidepressivos de classe serotoninérgica, tendo chances 20% maiores de morrerem.

    Além disso, o risco de ser hospitalizado por conta do aumento de sintomas da doença pulmonar, aumenta em até 15% com o uso dessa classe específica de antidepressivos. O estudo não apresenta uma relação de causa e efeito, porém, sugere que há uma forte associação entre medicamentos serotoninérgicos e problemas respiratórios em quem já apresenta deficiências pulmonares.

    “Existem motivos biológicos para os antidepressivos levarem à problemas respiratórios”, diz Nicholas Vozoris, autor do estudo, em entrevista ao periódico. “Estes remédios podem causar insônia, vômitos, e impactar negativamente as células do sistema imunitário. Isto aumenta a probabilidade de infecções e problemas respiratórios, especialmente em pacientes com DPOC”, explica o especialista.

    Como o estudo foi feito

    Analisando dados de pacientes do Instituto de ciências evaluativas, Vozoris e sua equipe estudaram 28,360 novos usuários de antidepressivos serotoninérgicos que tinham DPOC. Estes usuários eram maiores de 66 anos, e foram comparados com usuários da medicação que não tinham a doença pulmonar.

    A análise revelou que os novos usuários dessa classe medicamentosa, que tinham DPOC, tiveram as taxas de morte relacionadas a problemas respiratórios aumentada significativamente.

    Conclusões

    Segundo o autor do estudo, o intuito da pesquisa não é desesperar as pessoas que façam o uso desse tipo de medicação. O objetivo de sua equipe é fazer com que especialistas tenham mais cuidados ao receitarem esses remédios, atentando-se aos efeitos colaterais e às demais patologias físicas dos pacientes.