Quarta-Feira, 13 de Dezembro -

  • Osasco é a 9ª entre as cidades com maior potencial de consumo

  • Osasco ocupa a 9ª posição do ranking dos 50 maiores municípios no cenário estadual e o 32ª lugar no cenário nacional, em 2017, com maior potencial de consumo. O potencial da cidade é de R$ 16,060 bilhões. Os dados são da pesquisa realizada anualmente pelo IPC Maps, da IPC Marketing Editora, empresa especializada em informações de mercado, que mapeia o perfil de consumo das populações urbanas e rurais dos 5.570 municípios brasileiros.

     

    A pesquisa traz uma análise do mercado brasileiro para este ano e avalia o consumo nacional, que deve movimentar R$ 4,2 trilhões na economia. O resultado é positivo ante o ano passado, pois mostra que, mesmo diante do cenário de recessão econômica no país, houve um crescimento real de consumo estimado em 0,42%, o que representa gastos em 2017 de R$ 300 bilhões a mais que em 2016.

     

    O levantamento aponta ainda que os brasileiros estão gastando seu dinheiro em manutenção do lar, alimentação, saúde e transporte. De acordo com o responsável pelo estudo, o diretor do IPC,  Marcos Pazzini, “este cenário contribui para se traçar um novo horizonte de oportunidades competitivas para a economia, impulsionando a ocupação da mão de obra e o consumo por produtos e serviços”, avaliou.

     

    Sobre Osasco, o município é a 2ª maior economia do Estado de São Paulo, atrás apenas da capital paulista, e o 9º PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, segundo dados do IBGE 2015. A cidade ainda é a 13ª colocada entre as 100 melhores cidades para se investir em negócios, conforme estudo conduzido este ano pela Urban Systems, a pedido da revista Exame. Osasco tem as condições mais favoráveis para a instalação de empresas e um elevado potencial econômico movido pelo trabalho de sua gente e dos setores de Comércio e Serviços, tornando-a uma cidade competitiva.

     

    Além disso, no início do mês de outubro, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) classificou o município como “Cidade Efetiva”, por meio do “Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEG-M)”, que analisou dados dos municípios paulistas em sete áreas específicas: Educação, Saúde, Planejamento, Gestão Fiscal, Proteção aos Cidadãos, Meio Ambiente e Governança da Tecnologia da Informação. O resultado comprova o quanto a cidade tem potencial de desenvolvimento e de investimento em diversos setores.