Jornal A Rua

Sábado, 18 de Agosto -

  •  

    Osasco mantém agendamento da vacina contra a Febre Amarela

    Em Osasco, 48.250 vacinas contra a Febre Amarela foram agendadas desde que entrou em funcionamento a estratégia de prévio agendamento pela Central 156 ou 3651-7080. Os dados referem-se ao período de 22/1 às 9h do dia 5/2. Ambos os números enfrentam congestionamentos, devido ao alto índice de ligações que recebem por hora.
    Embora a cidade não seja considerada área de risco, a procura pela vacina da Febre Amarela continua intensa. A Prefeitura de Osasco, por meio da Secretaria de Saúde, decidiu pelo prévio agendamento para evitar as filas nas unidades de saúde e garantir mais comodidade ao cidadão.
    As redes sociais e informações desencontradas servem para ampliar o pânico da população. Todas as semanas, às sextas-feiras, o Ministério da Saúde divulga um balanço dos casos de Febre Amarela, incluindo os que estão sob suspeita, os investigados e os confirmados. Todas as suspeitas são investigadas pelo Instituto Adolfo Lutz.
    De acordo com o secretário de Saúde, José Carlos Vido, Osasco não vai mudar a estratégia de vacinação da Febre Amarela. “Não vamos mudar, a não ser que haja um fato novo que justifique”, explicou.
    Vido informou ainda que semanalmente a cidade tem sido abastecida com novas doses da vacina, o suficiente para atender a demanda registrada a partir do prévio agendamento.
    COBERTURA VACINAL
     
    É importante esclarecer que a Campanha de Vacinação é definida pelo Ministério da Saúde e pelo governo do Estado, a partir de estudos e investigações do Grupo de Vigilância Epidemiológica. Eles definem quando há necessidade de bloqueio ao vírus e Osasco não se enquadra entre as cidades classificadas de risco.
    A vacina contra a Febre Amarela está disponível o ano todo na rede municipal de saúde, e é procurada normalmente por quem vai viajar para áreas de risco ou para o exterior, já que muitos países exigem a vacina.
    As pessoas também devem ficar atentas às recomendações do Ministério da Saúde. Gestantes, mulheres que estejam amamentando bebês com menos de 6 meses de vida, crianças com menos de 9 meses de vida, qualquer pessoa que tenha alergia a ovo, idosos, pessoas em quimioterapia e em determinados tratamentos de saúde não podem receber a vacina devido aos riscos de reações graves. Também quem já tomou a vacina anteriormente não deve tomar outra dose.