Sexta-Feira, 18 de Agosto -

  • Osasco deve ganhar processo mecanizado para tratar resíduos sólidos

  • O prefeito de Osasco, Rogério Lins, acompanhado de secretários e técnicos da Prefeitura, visitou a EcoUrbis Ambiental, concessionária responsável pela coleta, transporte e destinação adequada de resíduos domiciliares, da área de saúde e de materiais recicláveis no Agrupamento Sudeste da cidade de São Paulo. Essa região contempla 19 subprefeituras e abrange toda a Zona Sul e a maior parte da Zona Leste, atendendo mais da metade da população paulistana.

     Rogério Lins conheceu os mais modernos equipamentos da Central Mecanizada de Triagem (CMT) “Carolina Maria de Jesus”, que a EcoUrbis montou na Rua Miguel Yunes, em Santo Amaro – zona Sul de São Paulo. Essa central, equipada com tecnologia europeia, ocupa uma área construída de mais de 4.820 metros quadrados.

    São equipamentos que permitem a separação de até 250 toneladas de materiais por dia, através de sistema de esteiras, controle computadorizado e agentes ambientais. “O processo contempla a separação dos principais componentes recicláveis, como papel, papelão, embalagens de cartão para alimentos líquidos, materiais ferrosos e não ferrosos e plásticos, inclusive, separando-os pela cor e triados de acordo com suas características físicas”, explica o superintendente de Operações da EcoUrbis, Walter de Freitas, que recepcionou Rogério Lins. Após a separação, os materiais são prensados em fardos que são comercializados com as empresas de reciclagem e transformação.

    Atualmente em Osasco são recolhidos cerca de 800 toneladas/dia de lixo. Com o sistema de mecanização, serão separadas em torno de 150 toneladas de materiais recicláveis, que hoje são enviados para o aterro sanitário. Essa separação mecanizada será realizada pela empresa Eco Osasco, que já efetua a coleta de lixo na cidade. “Além da redução na quantidade de material enviado ao aterro sanitário, o sistema de separação mecanizado possibilitará também a criação de aproximadamente 150 empregos diretos e 450 empregos indiretos na cidade de Osasco”, disse o secretário de Finanças, Pedro Sotero, que também esteve na EcoUrbis.

    Para o prefeito Rogério Lins, além de aumentar a vida útil do aterro sanitário de Osasco, beneficiando o meio ambiente, o mais importante do sistema de separação mecanizado, é o que ele significará para a área social. “A gente veio visitar o que existe de mais moderno no Brasil em termos de tratamento de resíduos sólidos, porque queremos levar para Osasco uma política ecologicamente correta. Então, além de Osasco se tornar uma cidade sustentável, vamos abranger também três áreas importantes: a destinação correta para mais de 150 toneladas de materiais recicláveis por dia; criar emprego e renda e ainda gerar receitas para o município”, disse o prefeito. A central mecanizada de Osasco será instalada numa área próximo à estação ferroviária da CMTO “General Miguel Costa”, no Km 21.