Jornal A Rua

Sexta-Feira, 17 de Agosto -

  •  

    Liga das Nações encerra com chave de ouro em Barueri

    Vitória em quadra, arquibancadas lotadas, vibração total da torcida e organização perfeita do evento sem qualquer ocorrência desabonadora nas áreas da segurança, ambulatorial ou tecnológica. Não poderia ter terminado melhor a etapa brasileira da Liga das Nações de Vôlei Feminino (VNL), disputada em Barueri, no Ginásio José Corrêa, entre 15 e 17 de maio. “Foram cerca de 5.000 espectadores, com transmissão direta da TV para vários países”, declarou o secretário de Esportes Tom Moisés.

    A Prefeitura de Barueri retribuiu a confiança da CBV (Confederação Brasileira de Voleibol) e organizou um evento internacional pensado nos mínimos detalhes. O público dos mais variados recantos do Brasil prestigiou os três dias de jogos. Havia torcedores de Corumbá (MS) e até de Belém (PA). A “Turma do Vôlei”, de São Ludgero (SC), a 180 km de Florianópolis, veio com 13 mulheres. “Somos fãs e praticantes desse esporte há muitos anos”, revelou Rosemary Buss Miehues, uma das integrantes.

    Barueri se tornou um polo nacional do vôlei feminino desde a chegada do técnico José Roberto Guimarães. Além do time das adultas, tem escolas da modalidade no Engenho Novo e no Jardim Belval. As moças se mostram entusiasmadas em praticar o esporte e até de um dia estarem competindo em alto nível.

    A caravana de Ana Marta Diniz, árbitra da CBV e mãe de Ana Júlia, aluna do sub-14 do Barueri Esporte Forte, se não era a mais numerosa (cerca de 30 pessoas), era uma da mais animadas.

    Dando show também em tecnologia
    Durante a VNL Barueri mostrou que faz jus ao título de cidade inteligente e aos prêmios que recebeu em Smart Cities. A Coordenadoria de Inovação e Tecnologia (CIT), ligada à Secretaria de Finanças, criou uma plataforma tecnológica para atender às necessidades de um evento desse porte que, aliás, precisa de bastante internet para acontecer, afinal, têm âmbito mundial. Os investimentos feitos pela prefeitura na rede de fibra ótica permitiram que o município surpreendesse até mesmo os visitantes estrangeiros.

    Para se ter uma ideia, o tira-teima fez uso da internet via cabo e também wi-fi para que as dúvidas dos lances pudessem ser rapidamente sanadas. Foram disponibilizados mais dois pontos de internet de alta velocidade para uso exclusivo dos organizadores do evento, como comissão técnica, juízes, jogadoras e imprensa mundial. A velocidade, que era de 100 megas, passou para 300. Também foi montado um rack com roteador, conversor de fibra e toda a tecnologia necessária para um evento dessa magnitude.

    Após os três dias de torneio, mais de 1.100 pessoas acessaram o wi-fi gratuito disponibilizado pela cidade. Jornalistas de várias partes do globo transmitiram vídeos e reportagens tranquilamente durante todas as partidas, fazendo seus acessos passarem de 400. E quem foi para assistir e torcer também se manteve conectado, já que havia wi-fi de qualidade tanto dentro do Ginásio quando em seu entorno.

    Dentro da quadra 
    A estreia da seleção brasileira contra a Alemanha no dia 15 não foi das melhores. O time até venceu o primeiro set, mas desconcentrou-se nos três seguintes e foi derrotado. No dia seguinte enfrentou o Japão, que vinha de derrota contra a Sérvia. Ambas precisavam da vitória para se reabilitar. O Brasil começou perdendo, mas se recuperou e venceu os três sets seguintes. Tandara foi o destaque.

    O grande desafio ficou para o último dia, pois a Sérvia mostrou personalidade e venceu os dois jogos anteriores por 3 a 0. O primeiro set terminou com vitória das europeias por 25 a 23 em 32 minutos e 21 segundos. As orientações de José Roberto Guimarães surtiram efeito. O bloqueio funcionou e as cortadas também, principalmente de Amanda, que fez 20 pontos e foi eleita a melhor jogadora em quadra.

    A seleção já viajou para a Turquia, onde a partir de terça-feira (dia 22) enfrenta as equipes da Argentina, República Dominicana e do país anfitrião. O novo sistema de disputa elaborado pela FIVB (Federação Internacional de Voleibol) prevê que as 16 seleções se enfrentem em grupos de quatro em sedes alternadas. As cinco melhores classificadas se juntarão à China na fase final em junho para a definição da campeã.

    Resultados da Liga das Nações em Barueri
    15/5

    Brasil 1 x  3 Alemanha: 25/15, 22/25, 18/25 e 20/25
    Japão 0 x 3 Sérvia: 18/25, 17/25 e 22/25

    16/5
    Brasil 3 x 1 Japão: 22/25, 25/18, 25/23 e 25/11
    Alemanha 0 x 3 Sérvia: 16/25, 21/25 e 17/25

    17/5
    Brasil 3 x 1 Sérvia: 23/25, 25/22, 25/14 e 25/21
    Japão 1 x 3 Alemanha: 21/25, 23/25, 25/21 e 17/25