Quarta-Feira, 13 de Dezembro -

  • HPV atinge mais da metade dos jovens entre 16 e 25 anos

  • Dados preliminares do projeto POP-Brasil – Estudo Epidemiológico sobre a Prevalência Nacional de Infecção pelo HPV mostraram que a prevalência estimada da doença entre os jovens é de 54,6%, dos quais 38,4% são casos de alto risco para o desenvolvimento de câncer. As informações, foram divulgadas nesta segunda-feira pelo Ministério da Saúde.

    A pesquisa, realizada em conjunto com o Hospital Moinhos de Vento de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, foi realizada em 26 capitais brasileiras e Distrito Federal. Das 7.586 entrevistas, 2.669 (35%) foram analisadas para tipagem de HPV. Dessas, mais da metade apresentaram algum tipo do vírus, sendo que 38,4% tinham a forma mais grave, que aumenta o risco de câncer. Todos os participantes têm entre 16 e 25 anos de idade e são usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

     

    HPV

    O papilomavírus humano (HPV, da sigla em inglês human papiloma virus) é o vírus sexualmente transmissível mais comum e possui mais de 200 subtipos. Desse total, mais de 40 são facilmente transmitidos pela via sexual, com o contato direto, seja genital-genital, oral-genital ou manual-genital, da pele ou de uma mucosa infectada.

    Entre eles, cerca de 12 são considerados de alto risco e podem causar câncer. Os subtipos 16 e 18, por exemplo, são responsáveis pela maioria dos casos de câncer relacionados ao HPV. Já os tipos 6 e 11 não estão associados a tumores, mas são responsáveis por 90% das verrugas em regiões de mucosas, genitais e ânus.

     

    Transmissão acontece mesmo na ausência de sintomas

    Em 90% dos casos, o próprio sistema imunológico consegue derrotar o vírus no período de dois anos. O problema é que, mesmo sem sintomas, a pessoa pode transmitir para os parceiros. Também é possível que a doença só se manifeste anos após ter tido contato com alguém infectado, o que complica a tarefa de determinar quando ocorreu a infecção. Quando a infecção se manifesta, pode causar, tanto em mulheres quanto em homens, desde verrugas genitais, até câncer.

     

    Prevenção

    O uso do preservativo nas relações sexuais e a vacina contra o HVP são as principais formas de se prevenir contra as doenças causadas pelos vírus. A imunização é importante porque a camisinha não basta para proteger contra a infecção, já que o vírus pode estar presente em áreas que não estão cobertas pelo preservativo, como as mucosas. Desde 2014 o Ministério da Saúde oferece a vacina a crianças e adolescentes no Calendário Nacional de Imunização.

     

    Perfil

    A população que compôs o POP-Brasil foi, majoritariamente, da classe C (55,6 %) ou D-E (26,6 %), seguida da classe B (15,8 %) e somente 2% foram incluídos na classe A. Entre os participantes do levantamento, a maioria disse estar estudando ou já ter concluído os estudos.

    A maioria dos indivíduos referiu estar em uma relação afetiva estável, sendo que 41,9 % estavam namorando e 33,1% casados (ou morando com o parceiro); o restante estava sem relacionamento, sendo solteiro (24,2 %) ou divorciado (0,7 %). Somente cerca da metade dos indivíduos (51,5%) referiram usar camisinha rotineiramente e, apenas 41,1% fizeram uso na última relação sexual. O comportamento sexual de risco foi observado em 83,4 % dos entrevistados, sendo que a média de parceiros sexuais no último ano foi de 2,2 e a média de parceiros nos últimos 5 anos de 7,5.

     

    Saúde sexual

    Quanto à saúde sexual, a média de idade de início da atividade sexual foi de 15,3 anos sendo 15,4 anos para mulheres e 15,0 anos para homens. Entre as mulheres, 47,7 % já engravidaram, sendo que dessas, 63,4 % tiveram um filho e 35,4 % tiveram 2 ou mais.

    O estudo indicou ainda que 16,1% dos jovens têm uma doença sexualmente transmissível (DST) prévia ou apresentaram resultado positivo no teste rápido para HIV ou sífilis. Os dados finais deste projeto serão disponibilizados no relatório a ser apresentado ao Ministério da Saúde em abril de 2018.

     

    Exame periódico

    A realização periódica do exame papanicolau, que identifica possíveis lesões precursoras do câncer e que, se tratadas precocemente, evitam o desenvolvimento da doença, também é outro aliado no combate à doença.