Sábado, 25 de Maio -

  • [adrotate group=”1″]

  • [adrotate group=”1″]

  •  

    Entenda um pouco dos números de barragens no Brasil; Situação é alarmante

    Por ser um país continental, o Brasil tem números em grande escala no que fiz respeito à barragens. Ainda mais com uma variedade de relevos que vão de planícies litorâneas, passando por planaltos, depressões e vales até montanhas mais desgastadas pela erosão de milhares de anos. São inúmeros rios que cortam estes relevos e são aproveitados como abastecimento, geração de energia ou extração de minérios.

    Segundo o relatório produzido pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) do Senado Federal, existem 70 mil barragens no país. No entanto estão cadastradas apenas 24 mil. Outro órgão do governo, a Agência Nacional das Águas (ANA), divulgou outro relatório, referente à 2017, dizendo que deste montante cadastrado, 780, cerca de 3%, passaram por vistoria de algum órgão de fiscalização (fosse um dos quatro federais ou dos 39 estaduais). Como se não bastasse, dessas barragens vistoriadas, 723 são classificadas como “de alto risco” e 45 estão com a estrutura comprometida.

    O relatório da CDR, com recomendações para o poder público evitar novos rompimentos de barragens, começou a ser elaborado após rompimento, há três anos, da barragem de Mariana, também em Minas Gerais, assim como a de Brumadinho, onde aconteceu a tragédia mais recente. Segundo o senador Elmano Férrer (Podemos-PI), pouco se avançou na segurança e fiscalização das barragens. Faltam recursos para a manutenção, para obras de recuperação e para fiscalização dos equipamentos de segurança.

    Ainda, de acordo com o representante do Senado, no ano passado foram aplicados somente R$ 34 milhões nas ações de operação, manutenção e recuperação de barragens, sendo R$ 26 milhões de recursos federais (apenas 23% do previsto) e R$ 8 milhões dos cofres estaduais (73% do previsto).