Sábado, 19 de Janeiro -

  • Coluna Papo Esportivo: Brasil surfa na onda de Medina

  • Por Juvenal Dias

    No último dia 17, Gabriel Medina conquistou o bicampeonato mundial de surfe. Nas ondas perfeitas de Pipeline, no Havaí, o paulista de São Sebastião foi muito superior aos seus concorrentes e faturou não só a etapa pela primeira vez, mas também o campeonato. Já tinha sido o primeiro brasileiro a vencer o Mundial em 2014. Medina completou agora, 22 de dezembro, 25 anos. O presente veio antecipado.

    Para quem pode assistir, Gabriel se mostrou sempre confiante nas baterias e surfou as melhores ondas. Tanto que, nas quartas-de-final, recebeu uma nota dez e só não foi perfeito, porque sua segunda melhor onda foi um 9,43. Seu estilo agressivo, com rapidez para sair de tubos e manobras contundentes, contou com formações de ondas propícias para seu sucesso e impressionou os jurados.

    Ele já havia vencido as etapas do Taiti e Califórnia e precisava apenas ser finalista no Havaí para levar o caneco. Mas acabou vencendo as três etapas mais tradicionais do circuito. Tornou-se o primeiro brasileiro bicampeão mundial. Medina faz parte da gerarão brasileira conhecida como “Brazilian Storm”, que tem Filipe Toledo, outro surfista que chegou com possibilidades de título.

    Toda conquista do tamanho de um campeonato mundial deve ser enaltecido. Ainda mais em um esporte que tem crescido profissionalmente e atraído ótimos competidores. A torcida, que  estava nas areias havaianas e que acompanhava pela televisão, foi à loucura. Pode passar muito longe de ídolos como Ayrton Senna, mas tem trilhado seu caminho com grande maestria. E o brasileiros estão surfando nessa boa onda, já é possível pensar que Medina já esteja influenciando novas gerações que queiram aprender o esporte. Neste final de ano, nada como uma excelente notícia como essa para nos sentirmos mais orgulhosos. O Brasil é o país do surfe novamente. Mais ainda. Podemos ter o primeiro campeão olímpico da modalidade, que será disputada no Japão, nos Jogos Olímpicos de 2020, caso a maré continue em alta.